GENTE BACANA FACEBOOK YOUTUBE
- AGORA SÃO
Publicidade
NIVEL DIGITAL
LONG LIFE
ANUCIA PEQUENO 03
ANINCIA AQUI PEQUENO 02
ECOTEC
ANUCIA PEQUENO 04
LAVANDERIA MULHER MODERNA
ANUCIA PEQUENO 01
Conteúdo



Valorização da arroba do boi aquece mercado de ração em Mato Grosso

   09/08/2014
Fonte: TV Morena   

A expectativa para este ano é de que a produção de gado de corte do país consuma quase 2,6 milhões de toneladas de ração, 3% a mais que em 2013. A estimativa é do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações). A comercialização de ração para gado tem aumentado em Mato Grosso, com a chegada do período da seca e a valorização da arroba do boi no mercado.
Em uma fábrica de rações no município de Tangará da Serra, a 242 quilômetros de Cuiabá, o número de vendas aumentou no primeiro semestre em 15% no comparativo com o ano anterior.
A expectativa do empresário Valdir Perin Souza é de que essa porcentagem se repita no segundo semestre deste ano, motivo suficiente para aumentar a empresa. “Estamos ampliando um espaço em 750 metros, justamente para tentar atender mais o pessoal da nossa região”, afirma.
O aumento da demanda no estado está relacionado, entre outros fatores, ao maior número de animais confinados nesta entressafra. Segundo levantamento do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), as intenções de confinamento de gado em Mato Grosso aumentaram em 2,6%, chegando a mais de 745 mil cabeças. Além disso, a queda no preço da ração também colabora para o aquecimento do mercado.
Assim como a ração pronta, a venda de suplementos – também conhecidos como “núcleos” – aumentou. Em uma fazenda em Tangará da Serra, o produto é misturado ao farelo de milho e soja para alimentar os atuais 4,5 mil bovinos confinados.
No local são produzidas diariamente 80 toneladas de ração. O rebanho confinado deve aumentar nos próximos meses e a quantia deve ser elevada para 110 toneladas. “No ano passado, confinamos 6 mil cabeças e agora temos a pretensão de chegar a 7 mil até o final do ano”, diz o gerente da fazenda, José Carlos da Silva.
Em outra propriedade da região, o consumo por suplementos também foi elevado. Mais de 10 mil animais são alimentados todos os dias com uma mistura de bagaço de cana, farelo de soja e milho, núcleo, ureia protegida e medicamentos homeopáticos.
O gerente da unidade, Leonardo Mello, espera um aumento de 30% na produção de ração. “Vamos ter mais cabeças no confinamento, um incremento de 30%, e consequentemente um aumento na produção de ração para esses animais”.

Compartilhar no Facebook